NFL

Apesar de milagre dos Packers no fim, Cardinals vencem na prorrogação

Crédito: Instagram/reprodução

Crédito: Instagram/reprodução

Aaron Rodgers mandou sua ficha de inscrição para ser eternamente chamado de Aaron GODgers, com basicamente duas Hail Mary bem-sucedidas no fim. Só que se contra o Detroit Lions foi para vencer o jogo no estourar do cronômetro, contra o Arizona Cardinals foi para mandar para a prorrogação. E no tempo extra Larry Fitzgerald fez uma recepção seguida de sprint absurdo e duas jogadas depois entrou na end zone para fazer sua equipe vencer a partida por 26 a 20 e voltar à final da Conferência Nacional depois de sete anos.

Agora os Cardinals esperam o vencedor da partida entre Carolina Panthers e Seattle Seahawks, que será disputada neste domingo (17), às 16h (de Brasília).

O jogo

Dá para analisar esse jogo com tão pouco tempo? Ok, é o dever.

Favoritos por ter melhor ataque, melhor defesa e ainda jogar em casa, se esperava que os Cardinals tomassem logo controle da partida.

Ainda no primeiro quarto, Carson Palmer liderou a equipe e com a agressividade habitual, em uma quarta para um em vez de chutar o field goal os mandantes correram e converteram. Logo depois, Palmer achou Michael Floyd na ponta da end zone para o primeiro touchdown da noite. E, para piorar, os Packers ainda perderam Randall Cobb após ele ter feito uma recepção magnífica – que não valeu por falta do ataque – e cair com força no chão.

Só que no restante da primeira metade da partida os ataques esfriaram e as defesas se impuseram. Os Packers conseguiram dois field goals com Mason Crosby, mas por pouco Rodgers não sofreu uma pick six de 99 jardas. Patrick Peterson pulou na rota, interceptou a bola e retornou até o fim, mas uma falta de um defensor (mão no capacete adversário) eliminou a jogada.

Logo no terceiro quarto, os dois quarterbacks trocaram interceptações. Então a solução era o chão: Eddie Lacy achou campo aberto e correu 61 jardas para a beira da end zone e a Rodgers achou Jeff Janis depois de estender a jogada para virar o placar: 13 a 7.

Com a desvantagem, Palmer teve que atacar com força e chamou o parceiro Larry Fitzgerald para isso. Com avanços de 32 e 22 e um field goal no fim a vantagem foi cortada para três. E a virada poderia vir na campanha seguinte, já no último período, mas o camisa 3 foi displicente na red zone e, em um passe que flutuou demais, Damarious Randall interceptou.

Mas outra chance viria logo. Na red zone novamente, Palmer lançou um tiro, a bola desviou no meio do caminho e em uma jogada de circo acabou nas mãos de Michael Floyd na end zone para o touchdown, o seu segundo na noite.

Com o tempo acabando e 17 a 13 no placar para os Cardinals, Rodgers entrou em campo mas logo estava em uma quarta descida e em um passe baixo para James Jones faltando 2:38, a recepção não aconteceu. Caso os mandantes corressem bem com a bola, isso poderia significar o fim do jogo, só que a agressividade falou mais alto e Palmer passou a bola. Sem sucesso, o relógio não parou como poderia e depois de um field goal os Packers ainda tinham chance de vencer.

Ai começaram os milagres. Com 55 segundos faltando e em uma quarta para 20 por causa de faltas, Aaron Rodgers correu para fora do pocket, na sua própria end zone e em um passe completamente fora do movimento normal, achou Jeff Janis livre no meio do campo para uma conversão absurda. Só que ainda faltavam muitas jardas e, com cinco segundos, a equipe ainda estava na linha de 41 do ataque. Então, assim como na vitória contra o Detroit Lions na temporada regular, era hora de jogar a Hail Mary e rezar. E deu certo de novo: Rodgers sofreu pressão e contra o movimento do corpo, lançou um petardo que Janis acrobaticamente pegou e por muito, muito pouco não deixou cair. Touchdown, ataque cardíaco em meia população dos Estados Unidos e prorrogação.

 

Ela não durou muito. Os Cardinals ganharam na moeda, apesar do juiz ter falhado na execução e ela não ter rodado, e os Packers pelo segundo ano consecutivo saem dos playoffs na prorrogação sem pegar na bola. Carson Palmer, pressionado, deu um spin e em um passe cruzado achou Larry Fitzgerald livre. Fitz recebeu e em uma sequência sensacional de corrida e fuga, evitou diversos recebedores e avançou 75 jardas atá a porta da end zone.

Depois de um passe alto na end zone que era para ele mas foi muito forte, Fitzgerald – 8 passes recebidos, 176 jardas, 1 TD – começou a jogada no backfield e recebeu de Palmer um shovel pass (passe de lado pelo movimento do braço e mão) e entrou na end zone para decidir a partida pelo seu único time na NFL em 12 temporadas, o Arizona Cardinals.

Desempenho dos quarterbacks

Carson Palmer: 25/41, 349 jardas, 3 TDs e 2 INT

Aaron Rodgers: 24/44, 261 jardas, 2 TDs e 1 INT

Pontuação a pontuação

7 a 0 – TD – a 6:48 do fim – Carson Palmer acha Michael Floyd para TD de 8 jardas. Extra point é bom

7 a 3 – FG  – a 11:22 do fim – Mason Crosby acerta field goal de 28 jardas

7 a 6 – FG  – a 0:57 do fim – Mason Crosby acerta field goal de 34 jardas

7 a 13 – TD – a 10:17 do fim – Aaron Rodgers conecta com Jeff Janis para TD de 8 jardas. Extra point é bom

10 a 13 – FG – a 5:05 do fim – Chandler Catanzaro acerta field goal de 28 jardas

17 a 13 – TD – a 3:44 do fim – Michael Floyd faz segundo TD da noite, dessa vez de 9 jardas. Extra point é bom

20 a 13 – FG – a 1:55 do fim – Chandler Catanzaro faz field goal de 36 jardas

20 a 20 – TD – cronômetro zerado – Aaron Rodgers acerta Hail Mary para Jeff Janis de 41 jardas. Extra point é bom

26 a 20 – TD – a 13:55 do fim da prorrogação – Larry Fitzgerald entra na end zone para TD de 5 jardas

Comments
To Top