NBA

Prévias da NBA – Não te culpo se esta prévia tiver 10 visualizações – Nets, Bulls, Magic, Kings e Hawks

(Crédito da arte: Felippe Rodrigues)

Se você, como eu, gosta de um basquete bem jogado, com defesa forte que gera um ataque agressivo, passes, arremessos limpos, transição e movimentação constante dos jogadores, esqueça essa prévia. Aqui você não encontrará nada disso. Aqui teremos muitos jogadores medianos, veteranos em final de carreira e, ufa, muitos novatos com fome de bola. Não te culpo se você não ler essa prévia, mesmo porque ver um jogos desses times não será tarefa fácil, imagina ler sobre eles então; que perda de tempo! Mas se insistir, também irá encontrar coisas boas.

Afinal, estamos falando da melhor liga de basquete do mundo.

Brooklyn Nets

Melhor jogador: Não sei. Talvez seja D’Angelo Russell, talvez Jarrett Allen. Não sei. Talvez Jeremy Lin?

Desempenho em 2016/17: 20-62

Será uma equipe de 30 vitórias se: D’Angelo Russell se tornar o “jogador mais odiado da NBA”. Em um time com poucas alegrias e sem nenhuma esperança, Russell pode agitar as coisas.

Será uma equipe de 7 vitórias se: D’Angelo Russell for um enorme enganador. Daí o time pode concorrer ao prêmio de pior time de todos os tempos. Os 76ers de 1972-1973 perderam 73 jogos.

Palpitaço: 16-68

Vários jogadores têm um ano de sucesso e depois vivem à custa dele por anos e anos. Jeremy Lin é um desses:

Fato é que os Nets não tem muito a oferecer. E continuarão assim até o draft de 2019, graças ao acordo bizarro feito com os Celtics. Pierce e Garnett por várias primeiras escolhas no draft.

Na temporada que se aproxima, veremos alguns lances de D’Angelo Russell, dentro e fora de quadra. No vestiário, ele não deve ser mais problema. O grande problema é que ele não tem arremessado bem. Sua média de pontos em duas temporadas com os Lakers é de 14.3. Talvez ele não seja uma máquina de 3 pontos que nem ele se apresentava. Seu aproveitamento é de 35%, enquanto seu arremesso de dois pontos chega a quase 45%. Talvez ele e Lin formem uma boa dupla de armadores. Fora de quadra, ambos bombam nas redes sociais. Lin é adorado na Ásia e Russell mantem quase que um reality show em seu Instagram.

Acho que uma aposta boa é curtir o primeiro ano de Jarrett Allen. Eu sei que ele é muito novo e tem muito a aprender, mas os Nets não cobram muita coisa e ele pode ganhar vários minutos de quadra e crescer dentro do jogo. Para se ter uma ideia, Allen somou 55 tocos em 33 jogos no universitário. E ele tem condições de flertar com duplos-duplos de pontos e rebotes, além de ser um bom passador e roubador de bolas. Ele pressiona bem o adversário.

Allen Crabbe não teve muito espaço em Portland. Ele até teve seus minutos, mas pouco arremessou. Em Brooklyn, o armador pode arriscar mais, as derrotas serão uma constante mesmo. Timofey Mozgov (que ganha quase 16 milhões de dólares) não acrescenta nada. DeMarre Carroll engana há muito tempo já. Tyler Zeller é jogador universitário.

Ou seja, o time é bem horrível, vai perder muito e não vai ser recompensado no draft. Mas não se pode falar que o time não tem um esquema definido. Faltam peças. Para se ter uma ideia, na última temporada, os Nets venceram duas partidas do natal de 2016 até o dia 1º de março deste ano. Na maioria delas, o time jogou bem, mas sucumbiu no segundo tempo por falta de qualidade. Os arremessos eram bem trabalhados, mas a bola não caia. Havia movimentação defensiva, mas sem contestação do chute. Faltavam peças. Não posso dizer que melhorou muito.

Chicago Bulls

Melhor jogador:  Zach LaVine

Desempenho em 2016/17: 41-41

Será uma equipe de 30 vitórias se: Todas as peças se encaixarem e produzirem muito, principalmente na defesa. Duvido que aconteça. Será péssimo para o futuro da franquia.

Será uma equipe de 15 vitórias se: abraçar o processo, acreditar no draft.

Palpitaço: 23-69

Terra arrasada. Uma ressaca enorme. Os Bulls estão bem longe do que fizeram na última década e estão no processo de perder muito para ganhar no futuro. Tudo parece bem esquematizado. Jovens e bons jogadores que custam pouco (Zach LaVine, Justin Holiday e Bobby Portis). LaVine talvez seja o melhor disparado, mas ainda se recupera de uma lesão no joelho. Mas ele não terá pressa alguma para retornar. Sua forma física é crucial para seu jeito de jogar basquete:

Jogadores veteranos e bem regulares que possuem salários altos (Robin Lopez e Nikola Mirotic) não fazem parte dos planos ambiciosos, apesar de Mirotic ter acabado de assinar com a franquia um contrato, de apenas dois anos. Ambos podem ser negociados por trocas no draft. E um espaço na folha salarial enorme. Tudo parece bem certinho. Só falta o time perder muito este ano e no ano que vem e assim por diante até os Bulls voltarem com tudo.

Não sei ao certo qual é o plano dos Bulls para Cristiano Felicio. Ele tem mais quatro anos de contrato e possui o terceiro maior salário da equipe (US$ 7,8 milhões), só ficando atrás de Lopez e Mirotic. Acho que Lopez será negociado, e Felicio assumirá o posto. Parece ser o natural, mas uma boa proposta pelo brasileiro e um abraço.

Lauri Markkanen é o novato do ano para os Bulls. Sem pressa com ele. Sem grandes expectativas. Kris Dunn, por outro lado, já chega com uma certa expectativa. Ele terá que saber a medida entre desempenhar ao mesmo tempo que o time tem que afundar. Aliás, esse será o dilema do time. Como não desanimar sabendo que a derrota vale muito. Algo que não combinava com Dwayne Wade, não à toa ele pediu pra sair.

Orlando Magic

Melhor jogador: Creio que seja Nikola Vucevic.

Desempenho em 2016/17: 29-53

Será uma equipe de 40 vitórias se: Vucevic subir do duplo-duplo para o triplo-triplo (em 2017, ele terminou com as seguintes médias: 14.6 pontos por partida, 10.4 rebotes e só 2.8 assistências). Evan Fournier pontuar acima de 25 pontos por partida, Bismack Biyombo pontuar mais e proteger melhor o garrafão. Aaron Gordon, Terrence Ross e Elfrid Payton explodirem ofensivamente.

Será uma equipe de 20 vitórias se: o grupo se provar frágil e não valer o que está sendo pago. O que na verdade pode ser muito bom, alguns jogadores podem ser negociados, a folha salarial pode ficar mais maleável e as trocas podem gerar novas oportunidades.

Palpitaço: 30-52

Há um sério problema aqui. A franquia de Orlando acha que conta com uma boa equipe, jovem, porém sólida em todas as posições. Frank Vogel acredita que pode fazer do Magic a mesma coisa que fez com os Pacers. A direção saiu distribuindo contratos altíssimos para jovens com potencial, mas com muito a provar. Biyombo e Fournier ganham US$ 17 milhões por ano cada um. Ross tem garantido US$ 10,5 milhões. Vucevic mais 12,5 milhões de dólares.

Com tantos contratos gordos será difícil negociar. Por outro lado, o time não será ruim o suficiente para brigar no draft e nem terá dinheiro para brigar na free agency. Complicada a situação. O jeito é ir na do treinador e acreditar até o fim.

 O que pode alterar a temporada do Magic é um cara chamado Jonathon Simmons. Ex-Spurs, Simmons, às vezes, acha que joga mais do que realmente joga. Mas ele pode dar para Orlando muito mais do que podia em San Antonio. Não que ele se tornará um titular, mas ele pode ser uma boa sombra para Fournier e tem condições de carregar os reservas. No pior dos cenários, Simmons pode ser usado como moeda de troca.

Sacramento Kings

Melhor jogador: De'Aaron Fox

Desempenho em 2016/17: 32-50

Será uma equipe de 30 vitórias se: Fox, Bogdanovic, Giles e Hield tomarem de assalto a NBA. Não vai compensar no draft, mas pode formar um núcleo que dure algumas temporadas.

Será uma equipe de 10 vitórias se: Entenderem o processo. Deixarem os meninos jogarem, se preocupando com os fundamentos, mas deixando a preocupação com a tabela de lado.

Palpitaço:22-60

Ouço dizer que os Kings me parecem o melhor time desta prévia modorrenta. Isso porque, finalmente, a franquia fez boas escolhas no draft e parece ter abraçado a derrota como melhor forma de evoluir em um futuro não tão distante.

São seis novatos no elenco e mais quatro jogadores que estão indo para o segundo ano na liga. Com certeza, De’Aaron Fox é a cereja do bolo. Boto muita fé nesse garoto. Ele tem tudo para explodir na NBA e se tornar uma grande estrela. Um pouco de cuidado e atenção com o seu arremesso e Fox pode carregar os Kings nas costas. Quero muito ver como ele irá distribuir a bola.

Outro novato que chama atenção é Harry Giles. Eu sei que ele vem com a fama de bixado, mas acredito em seu potencial. Ele não virou em Duke, se machucou e perdeu espaço. Mas, convenhamos, em Duke não há muito espaço, todo ano tem muita gente boa chegando e indo, Giles não se encontrou.

Outro não tão novato assim, mas com enorme potencial é Bogdan Bogdanovic, a joia europeia. Com 25 anos, o armador chega como um grande achado de Vlade Divac. Sempre tem aquela história: ih, europeu não demora para se adaptar. Pode ser, mas Bogdanovic não chega para resolver. Longe disso. Ele chega para somar e ganhar tempo de quadra.

Outro não tão novato assim que chama atenção é Buddy Hield. Eu sei que ele decepcionou como novato em New Orleans, mas pode desabrochar em Sacramento. Os Pelicans tinham uma certa expectativa de playoff, os Kings não. Isso pode ser ótimo.

Os novatos Justin Jackson, Frank Mason III, Willie Cauley-Stein, Malachi Richardson e Georgios Papagiannis não serão estrelas, mas todos possuem qualidades para compor elenco e um deles até pode estourar.O problema é que os Kings andaram pegando alguns veteranos que possuem pouco ou nenhum retorno. Vince Carter é um monstro, vai para sua 19ª temporada, mas não acrescenta muito, a não ser que pegue os meninos no colo e ensine um pouco sobre a NBA e suas peculiaridades.

Zach Randolph também já deu, não entendi sua contratação. Kosta Koufos é outro que não vai levar a luagr nenhum. Garrett Temple, pff. O único que se salva é George Hill, mas com algumas ressalvas. Tenho medo de que o treinador Dave Joerger insista nesses veteranos e não use os meninos. Seria um erro enorme. O time vai cansar de perder, então é melhor que seja com os novatos e os menos experientes. Acreditar que esses veteranos lideraram os jovens ao playoffs é uma estupidez enorme.

Atlanta Hawks

Melhor jogador: 43-39

Desempenho em 2016/17:

Será uma equipe de 30 vitórias se: Schroder marcar quase 30 pontos por partida. Vai ser ótimo para ele, mas para os Hawks…

Será uma equipe de 15 vitórias se: deixar a vida levar. Não se preocupar com a tabela e dar espaço para alguns jovens.

Palpitaço: 24-58

É incrível como um time pode piorar de um ano para o outro. Paul Millsap foi embora e com ele no mínimo 20 vitórias. Tim Hardaway Jr. nem era tudo isso, mas fará muita falta. Não acho que Dwight Howard fazia e nem fará falta alguma.

Dennis Schroder é o único do time inteiro do Hawks que pode ser considerado um jogador interessante, com bom potencial e que pode até ser escolhido como um All-Star.

Mas Schroder deve perder alguns jogos, já que foi pra cadeia no último mês e deve ser suspenso de alguns jogos. Kent Benzemore pode carregar o piano, mas para quê? O melhor é abraçar as derrotas como se fosse a melhor coisa do mundo.

É isso. O time é horrível. A prévia poderia tranquilamente acabar aqui. Mas nós do QQ gostamos de ir fundo. Sendo assim, segue alguns nomes que podem servir para que o time não perca de zero em alguns jogos.

John Collins foi muito bem na Summer League o que não prova absolutamente nada, mas que cria uma certa expectativa. DeAndre Bembry pode ter um bom desempenho, mas não empolga. Marco Belinelli está fazendo hora extra e Dewayne Dedmon agrega muito pouco.

A melhor coisa que os Hawks podem fazer é perder todos os jogos possíveis. Não é fácil entrar em uma partida sabendo que você não pode nem flertar com a vitória. Ainda bem que os Hawks têm a quinta pior média de público por partida (15.958 pessoas por partida). Pouca gente terá o desprazer de ver o time em quadra. Mas não existe outro caminho. O time tem que ser péssimo para ter alguma chance no draft do ano que vem, o último sem a loteria.

Popular

Copyright © 2015-2021 - https://www.quintoquartobr.com/

+18 Jogue com responsabilidade


Copyright QuintoQuartoBR

To Top