NBA

Los Angeles Lakers x Los Angeles Clippers: agora com calma para refletir

lebron-james-kawhi leonard lakers clippers

Nos textos que planejei para postar antes da temporada 2019/20 da NBA começar um deles era escolher qual era o melhor time de Los Angeles. E, portanto, da Conferência Oeste. A briga entre Los Angeles Lakers x Los Angeles Clippers é boa, terá quatro episódios na temporada regular, já que ambos estão na mesma divisão, e ainda todos esperam um extra nos playoffs.

Com todo respeito a Denver Nuggets, Portland Trail Blazers e Utah Jazz, desde que um time trouxe Anthony Davis e o outro seduziu Kawhi Leonard e trocou por Paul George, é claro que eles ganhariam as atenções. Ainda mais por estarem no segundo maior mercado americano e uma cidade que respira basquete.

(agora eu começo uma desculpa esfarrapada)

Mas como eu sabia que eles fariam o jogo que encerraria o primeiro dia da NBA, eu quis esperar essa partida e por isso não postei antes desta quarta.

(fim da desculpa esfarrapada)

Escute o podcast do Quinto Quarto perfeito para o começo da temporada da NBA. O papo sobre os Lakers começa a partir dos 28:00

A verdade é que tinha muitas dúvidas dentro de mim. Dei algumas opiniões no podcast acima, umas mais fortes – acho os Clippers mais time, mas acredito que os Lakers irão melhor na temporada regular – umas menos fortes (Dwight Howard não é reforço), mas nada de muito inovador.

Agora que eu vi a partida e tive umas horas para digerir, vou tentar colocar nestas porcas linhas alguns de meus pensamentos. E quero saber se você concorda ou não.

Os Lakers seguem sendo disfuncionais

No podcast, eu conversei com Felippe Rodrigues, o ex-(agora não tão ex) torcedor dos Lakers e ele exclamou que não é possível que anos seguidos com escolhas altas no Draft não tenham rendido um talento para o time atual. E, é verdade, o único que ficou foi Kyle Kuzma, que foi escolhido no fim da primeira rodada.

O problema da montagem atual do time mais famoso de Los Angeles é que trazer dois jogadores caros, por mais geniais que sejam, vão fazer com que sua folha fique impraticável para rechear o elenco de talento.

Os Lakers ainda trouxeram Danny Green, que eu achei que seria meio decepcionante depois de conquistar mais um anel. Ele já enfiou 28 belos pontos na minha goela ontem. Mas calma, ainda acho que ele não pode ser o terceiro principal jogador de um time campeão (falo mais sobre isso abaixo).

A fórmula para ser campeão pouco mudou nos últimos anos e é engraçado, já que o estilo de jogo e a relação de forças jogador-treinador e jogador-franquia mudaram completamente.

Os Raptors do ano passado, os Warriors dos últimos anos, os Cavaliers campeões, Spurs e Heat tinham todos uma combinação de free agent importante + estrela draftada + veteranos que ainda têm gasolina no tanque.

Raptors campeões: Kawhi Leonard, Kyle Lowry + Paskal Siakam + Marc Gasol, Danny Green

Warriors bicampeões: Durant + Curry, Thompson e Green + Iguodala, Livingston, West…

Cavaliers campeões: Kevin Love + Podemos colocar LeBron tanto como free agent importante ou estrela draftada + Kyrie Irving, Tristan Thompson + Richard Jefferson, JR Smith…

Spurs: aqui a maioria é de draftados de forma incrível por Popovich e cia.

No Heat era LeBron FA, Bosh em menor grau + Wade draftado + Mike Miller, Shane Battier, Ray Allen e cia limitada.

Os Raptors foram o time que mais colocaram peso nos “mercenários” e deu certo, mas o time já sofreu a consequência máxima dessa estratégia que foi perder dois jogadores do time campeão logo de cara, inclusive o tal do Kawhi.

Bom, peguei o livro de história e esqueci do assunto.

Lembrei. Os Lakers de ontem não tinham um cara draftado por eles para botar em quadra.

Isso por si só não é uma coisa ruim. Mas não ter desenvolvido D’Angelo Russell e Julius Randle devidamente – evidenciado por eles terem saído e subido cinco níveis – e o mesmo  possivelmente acontecer com Brandon Ingram fez Los Angeles ter que envolver escolhas de draft e ir atrás de jogadores nada a ver para ter gente para botar em quadra.

Conheça nosso canal no YouTube e inscreva-se!

Os Lakers seguem os mesmos que queimaram todos os últimos anos para nada porque pagaram caro para trazer Anthony Davis e não têm um armador no elenco que seja na média.

Não peço nem acima da média, ou All-Star. Só na média.

Quinn Cook é reserva e não pode ter papel muito maior do que tinha em Golden State. LeBron não pode ter que jogar de armador. E Rajon Rondo em 2019, com sua falta de arremesso – e olha que eu amo Rajon Rondo – não eleva essa equipe a patamares incríveis.

A franquia segue tendo os mesmos problemas dos anos passados. Só que agora tem duas estrelas para mascarar as coisas.

Os Clippers são o modelo dos Lakers

harrell clippers

É hilário falar que uma franquia de cinco décadas que nunca chegou sequer a uma final de conferência, teve por décadas um dono lunático e é coadjuvante até no próprio ginásio é modelo de algo. E não é como se os Clippers tenham sido perfeitos nesta offseason, já que não têm uma escolha de 1ª rodada no Draft até 2178.

Mas na temporada passada a equipe montou um elenco de lutadores e jogadores subestimados com bons contratos e chegou aos playoffs.

Você vai falar “ah, eles não têm jogadores draftados também”.

É verdade, mas os Lakers escolheram em 7° (Randle, 2014), 2° (Russell, 2015), 2° (Ingram, 2016), 2° (Ball, 2017), enquanto os Clippers escolheram em 28° (2014), não tinham pick (2015), 25° (2016) e não tinham pick (2017).

Ou seja, se você vai montar um time em torno de estrelas que você não draftou e tentar mudar a receita do bolo para ser campeão, está claro quem está vencendo neste momento.

Você não sabe? O Lakers paga 8 milhões para Kentavious Caldwell-Pope. Os Clippers pagam 8 milhões para Lou Williams.

Além da montagem de elenco… e o jogo?

Eu fiquei impressionado com o arsenal ofensivo de Anthony Davis, que pareceu imparável em vários momentos. Jogando assim ele é top 5 da NBA sem dúvidas.

LeBron James não jogou bem. Isso não irá se repetir muito, pode ter certeza. Achar que James passou do ponto é um erro que já cometemos várias vezes com ele e Tom Brady. Não faça esse anúncio polêmico antes que fique muito, muito claro.

Dwight Howard precisa arranjar uma bermuda maior. E o fato que o jogo se modernizou enquanto ele ficou parado fica evidenciado com o tanto de faltas que ele faz por mau posicionamento (19 min, 4 faltas).

Danny Green jogou muito, muito bem. Mas ele não pode ser a única fonte de cestas e bolas de três além dos dois. Sem Davis ou LeBron em quadra a equipe vai sofrer para pontuar. Kyle Kuzma ajudará, claro, mas ele tem 33,5% de aproveitamento nos arremessos de 3 na carreira.

Frank Vogel e Jason Kidd ainda vão ser fonte de muitas matérias sobre um passando por cima do outro, especialmente Kidd sobre Vogel. Eles precisam experimentar até achar os quintetos certos que providenciem o espaçamento certo para LeBron jogar lá embaixo e o time conseguir arremessos livres.

Já nos Clippers…

É um dos elencos mais talentosos que eu já vi sem ser a constelação de estrelas dos Warriors.

Os Clippers podem ser uma máquina de defender e marcar várias posições com Patrick Beverley, Kawhi Leonard, Paul George, Mo Harkless/JaMychal Green e Montrezl Harrell.

Se precisar de pontos, coloca Lou Williams nessa brincadeira, dá a bola na mão dele e começa a maravilha do pick n’roll com Harrell e a possibilidade de Leonard e George no perímetro só esperando ou como simples ameaças.

Ainda tem Landry Shamet e Ivica Zubac, que são bons jogadores complementares e podem comer 10/15 minutos de jogo.

Eu acho que os Clippers vão pegar bem leve na temporada regular. Não há porque apressar Paul George e Kawhi Leonard não precisa ser 100% na defesa ou até aparecer em certos jogos, repetindo a estratégia dos Raptors no ano passado.

Enquanto isso, os Lakers precisam testar tudo e ter LeBron e Davis focados para vencer jogos e descobrirem a química dessa equipe. 

Por essa razão até acredito que o time dos 17 títulos pode brigar pela primeira posição do Oeste, já que esses dois focados e querendo mostrar ao mundo que podem vencer juntos são uma força que não pode ser ignorada.

Mas os Clippers têm mais elenco, um encaixe ideal até entre jogadores de banco (Williams-Harrell) e um treinador veterano que já lidou com um supertime (Doc Rivers).

O Los Angeles Clippers é mais equipe. E sinto que isso seria verdade mesmo que LeBron tivesse feito um triplo-duplo e impulsionado uma vitória ontem.

Comments
To Top