NBA

Estamos arrependidos de todas as críticas a Carmelo Anthony? (+ prévia do Troféu Brian Scalabrine)

carmelo anthony blazers

Aqui estamos para mais um texto sobre basquete e o assunto é Carmelo Anthony. Desde que começamos o Quinto Quarto em 2012, não tinha nada que me desse mais prazer do que criticar Melo. O nosso Felippe Rodrigues, o ex-morador de Boston, torcedor dos Lakers e agora criador de ovelhas na Nova Zelândia era meu companheiro nesse esporte.

E por anos não faltou munição. Por exemplo, a temporada de Carmelo em Oklahoma City foi algo que entrou para a história.

E Felippe, ontem, mais de dois anos depois de Melo e OKC terem se divorciado, me mandou o vídeo abaixo que argumenta com dados que o ano de 2017/18 do ala no Thunder foi a pior combinação de investimento e retorno da história da NBA.

Muito bem, vamos avançar para dezembro de 2019. Depois de um ano sem jogar, Carmelo voltou a ser contratado. Não vou entrar no mérito se ele merece ou não, já que falei disso em outro post.

Só vou apontar que é absurdo dizer que ele tem lugar garantido só porque “não há 450 jogadores de basquete melhores” ou porque ele foi ótimo em um momento de sua carreira.

É preciso levar em conta o contexto e o papel que Carmelo pode desempenhar.

Os Blazers são perfeitos e péssimos para Carmelo (e vice-versa)

Já falei várias vezes que tenho dó dos Blazers. Bom, dó não é a palavra certa para usar sendo que sou um pobre redator brasileiro falando de uma organização bilionária cuja atividade é colocar milionários para jogar uma bola laranja em uma redinha em vários lugares da América do Norte.

Mas enfim, você entendeu.

Os Blazers fizeram tudo certo. Selecionaram com a sexta escolha um armador que veio de uma universidade desconhecida e um ano depois, com a 10ª escolha, selecionaram um excelente coadjuvante de outra universidade sem tradição no basquete.

E eu posso dizer isso tranquilo porque minha irmã se formou nessa universidade e se ela ver CJ McCollum na sua frente ela não terá a mínima ideia quem ele seja.

E A ERRADA É ELA, ÓBVIO.

Enfim, eles fizeram tudo certo considerando que nenhum free agent de peso escolherá Portland já que chove 300 dias por ano.

Mas em uma era onde tivemos o Miami Heat com três All-Stars, um San Antonio Spurs com três jogadores nível Hall da Fama mais um MVP de finais e um gênio de treinador e um Golden State Warriors que nem preciso falar nada, ter dois caras ótimos que você draftou é pouco.

Eis que chegamos em 2019 e os Blazers começaram a temporada mal e com lesões. Trazer Carmelo Anthony faz todo sentido: o time precisava de pontuação e alguém que tenha a confiança de arremessar sempre. E a equipe tem pretensões na temporada.

Porque esse é o lance para contratar Carmelo Anthony em 2019. Não é pensar “ah, ele é melhor que os alas do nosso banco”. Se fosse só isso montar um time de basquete poderia ser feito por um adolescente de 14 anos que sabe o overall dos jogadores no NBA 2K18.

Se você é o Chicago Bulls, um time que não é desenhado para vencer e dominar – para ser simpático -, trazer ele não faz sentido nenhum: Melo pode vencer algumas partidas – o que prejudica o Draft – e vai tirar minutos e arremessos de jogadores jovens que podem ser o futuro da franquia.

E se você é um time que quer dar o salto final, trazer Carmelo Anthony não faz sentido também e vimos isso com OKC e Houston: ele não defende, sua eficiência nos arremessos é baixa e ainda pode ser uma distração.

Confere nosso canal do YouTube e inscreva-se. Se você fizer isso prometemos que teremos mais conteúdo sobre a NBA

 

Muito bem, voltando a Portland. Melo chegou, teve uma partida péssima, alguns jogos bons e imediatamente o time garantiu seu contrato até o final da temporada.

Até foi cometido o absurdo de eleger ele o melhor jogador da Conferência Oeste na semana passada, afinal estamos falando do mesmo Oeste que tem um esloveno causando e um barbudo que teve um jogo de 60 pontos nesses 7 dias.

Final feliz, certo?

Os Blazers vão sofrer e Melo não será a solução

Falou-se na sequência de três vitórias que os Blazers tiveram com Melo depois de quatro derrotas seguidas. As vitórias vieram contra os Bulls, duas vezes, e o Thunder.

E essa é a questão com Carmelo agora: alguns torcedores e analistas estão tão presos em seu saudosismo que qualquer espasmo é visto como vitória. O exato oposto se aplica a James Harden, por exemplo: um jogo ruim é suposta prova que o barbudo é egoísta e que seu jogo não leva a vitórias.

As coisas não podem ser tão 8 ou 80. Ontem os Blazers perderam por 23 para os Lakers, com Carmelo arremessando 13 vezes, acertando apenas 4, o mesmo número que teve de turnovers. Seu plus/minus de -21 e o fato que LeBron James e Anthony Davis somaram 70 pontos combinados é outro indicativo ruim.

Mas não adianta eu vir aqui e ter uma ejaculação precoce com esses números: são os Lakers com LeBron e AD. Óbvio que não seria bonito.

Damian Lillard está de volta. CJ McCollum também. Melo arremessou o mesmo que o segundo na partida de ontem. Não vai ter bola suficiente para os três como titulares e se o backcourt com os dois já era problemático na marcação em certos momentos, com Melo na ala o negócio vai ficar feio.

Os Blazers são um time achatado pelo teto salarial, com falta de talento complementar, com uma dupla de armadores que pontua bem mas não está no mesmo patamar de outras duplas do Oeste e com problemas na defesa. O time é o 11° pior em rating defensivo e perdeu peças importantes nesse quesito.

Mais uma estatística que deixará os cabelos do torcedor de Portland e até os de Jorge Sampaoli de pé: o time permite 28,1 lances livres por jogo, pior marca da NBA. Nem preciso falar que isso é um problema: você dá 28 oportunidades por jogo da pontuação mais fácil que existe.

E o pior do lance livre, que muita gente nem pensa: ele ferra com seu ataque na posse seguinte porque a defesa vai estar preparada e postada.

Isso quer dizer que eu quero o ex-camisa 7, agora 00, fora da liga? Claro que não. Só peço que as pessoas se acalmem: existem várias razões para OKC não se lembrar com carinho da era Carmelo Anthony no time e os Rockets terem aberto mão dele com míseros 10 jogos mesmo pagando salário mínimo.

Vamos para o que importa.

Troféu Brian Scalabrine

Terceira Prévia:

James Harden (5), Luka Doncic, Giannis, Luka Doncic (8), Giannis (7), Devin Booker (2) e Anthony Davis

Segunda Prévia:

Gordon Hayward, Giannis, LaMarcus Aldridge, Paskal Siakam, James Harden, James Harden, Giannis, Trae Young, James Harden (4), Bradley Beal, Jrue Holiday, Paul George, Buddy Hield, Luka Doncic, LeBron James, Luka Doncic, Brandon Ingram, Luka Doncic, Zach LaVine, Luka Doncic (5), Giannis (5), Kawhi Leonard, Kemba Walker e Luka Doncic (6)

Primeira Prévia:

Fred VanVleet, Andre Drummond, Giannis Antetokounmpo, Karl-Anthony Towns, Trae Young, Damian Lillard, Joel Embiid, Anthony Davis, James Harden, Kawhi Leonard, LeBron James, Giannis, Luka Doncic e Devin Booker.

Comments
To Top