NBA

Temporada 2014-15 da NBA tem recorde de brasileiros

NBAA

(Crédito: montagem sobre foto Divulgação/Instagram)

Depois de alguns meses de espera e ansiedade, a temporada 2014-15 da NBA finalmente vai começar. Desta vez, os brasileiros têm um motivo a mais para acompanhar o melhor basquete do mundo: nada menos que sete atletas nacionais estão inscritos na liga – um recorde para o país, superando os seis inscritos de 2012-13. Anderson Varejão (Cleveland Cavaliers), Nenê Hilário (Washington Wizards), Leandrinho Barbosa (Golden State Warriors), Vitor Faverani (Boston Celtics), Bruno Caboclo e Lucas “Bebê” Nogueira (Toronto Raptors) e Tiago Splitter (San Antonio Spurs), primeiro brasileiro a conquistar um título do torneio.

Pela Conferência Oeste, os atuais campeões Spurs abrem a temporada na noite desta terça, às 22h (de Brasília), quando recebem o Dallas Mavericks no AT&T Center. Splitter está se recuperando de uma lesão na panturrilha e perde as primeiras semanas da temporada regular, mas o pivô falou das expectativas do time na busca do bicampeonato inédito.

“Seguimos com a base do ano passado e isso é muito bom. Temos um grupo que se conhece bem, que já está entrosado, algo que ajuda bastante. Estamos começando o campeonato, ainda vamos recuperar aquela química do ano passado, espero que o time alcance o mesmo nível de basquete que apresentamos durante as finais, um nível muito bom, um jogo competitivo e eficiente. E vamos precisar disso, porque a temporada será muito equilibrada, Oklahoma, Dallas, Portland e Clippers cresceram, se reforçaram, no Oeste, que é a nossa primeira preocupação, sem falar no Leste, onde Cleveland, Miami e Chicago aparecem muito bem. Espero estar bem nos próximos dias para voltar ao time”, afirmou o catarinense.

Ao lado dos Spurs na Conferência Oeste, os Warriors contam com Leadrinho. O camisa 19, companheiro de Stephen Curry, Andrew Bogut e David Lee na Califórnia, elogiou a pré-temporada do time e ressaltou as dificuldades da fortíssima conferência, que conta com Oklahoma City Thunder e Los Angeles Clippers.

“Nosso time está muito bem, há uma mescla de experiência e juventude. Fizemos uma boa pré-temporada e estamos engrenando, com o início da temporada, vamos ganhar confiança e as coisas vão acontecer. Precisamos ter equilíbrio, aproveitar o mando de quadra, nossa torcida, que nos ajuda demais, porque estamos numa conferência complicada. Tenho certeza de que, pela força do nosso grupo, vamos chegar fortes na temporada”, afirmou o jogador.

Já a Conferência Leste conta com cinco brasileiros. Recém-anunciado pelo técnico David Blatt como titular ao lado de LeBron James, Kyrie Irving, Dion Waiters e Kevin Love, o capixaba Anderson Varejão está otimista, mas reconhece a força dos adversários.

“O Cleveland montou uma equipe forte, competitiva, um time que é muito bom no papel e precisa ser ainda melhor em quadra. Temos consciência da expectativa que foi criada em torno do Cavs, temos que saber usar isso a nosso favor, concentrar em fazer uma grande temporada, pensando jogo a jogo, sempre respeitando os adversários, que se reforçaram bastante também. Temos condições de lutar pelo título, a expectativa é a melhor possível, e vamos trabalhar forte para alcançar os nossos objetivos na temporada”, avaliou Varejão.

Os Cavaliers são possíveis candidatos ao título, pois além da volta de King James e a chegada de Kevin Love, Mike Miller, James Jones, Shawn Marion e Brendan Haywood, todos com títulos na carreira, a equipe já conta com Irving (MVP do All-Star Game 2014), Dion Waiters, Matthew Dellavedova e Tristan Thompson, além de “Andy” Varejão, que chega a sua 11ª temporada com a camisa 17.

Apesar da força dos Cavs, é bom lembrar que há outras franquias brigando pelo título, como pode ser visto no Global Game do Rio de Janeiro, quando o Miami chegou à prorrogação com brilhante atuação do rookie Shabazz Napier, primeira escolha da franquia da Florida no draft. O Miami Heat pode ter perdido seu astro principal, mas segue com a dupla Chris Bosh e Dwyane Wade e tem tudo para fazer uma boa temporada. Nos Bulls, Derrick Rose e Pau Gasol também vão dar trabalho aos adversários.

O Washington Wizards, de Nenê, manteve a base do ano passado, com Bradley Beal, John Wall e Marcin Gortat, e conta com o reforço do All-Star Paul Pierce para repetir o bom desempenho do ano passado, quando chegou à semifinal da Conferência e foi eliminado pelo Indiana Pacers por 4-2 na série melhor de sete.

O Boston Celtics conta com o pivô Vitor Faverani, de 26 anos, com passagens pelo basquete espanhol. O atleta se submeteu recentemente a uma nova cirurgia no joelho e estava na expectativa sobre seu futuro na equipe, mas a franquia optou por dispensar o armador Will Bynum e o brasileiro permanece no plantel celta. O retorno de Faverani às quadras está previsto para dezembro. Em seu segundo ano na liga, o camisa 58 quer ganhar minutos em quadra para, ao lado de Rondo, tentar levar a franquia aos playoffs.

“Ano passado foi importante para a minha adaptação à equipe e à NBA. Daqui a algumas semanas vou estar liberado para jogar, espero jogar, ajudar o Boston, ficar longe dos problemas de lesão. Meu joelho está novo e estou ansioso pela temporada”, afirmou o gaúcho, que já havia sido operado no fim da temporada.

O Toronto Raptors angariou dois brasileiros para seu elenco: o rookie Bruno Caboclo, ala selecionado na 20ª posição do draft deste ano, e Lucas “Bebê” Nogueira, pivô recrutado pelo Atlata Hawks no ano passado.

“Fomos muito bem recebidos aqui em Toronto, estamos muito à vontade no grupo. A expectativa para o campeonato não poderia ser melhor, todos estão nos passando muita tranquilidade e confiança, está sendo fundamental para que possamos dar o nosso melhor. Temos muito a aprender e acho que não poderíamos estar em lugar melhor para isso. O Toronto tem uma base jovem, mas experiente, competitiva, e a equipe tem chances de fazer uma temporada ainda melhor que a do ano passado”, declarou Bebê.

O experiente Varejão elogiou os novatos, mas também aproveitou para dar algumas dicas.

“São bons meninos, merecem e, tenho certeza, vão chegar longe na NBA. Espero que Bebê e Caboclo cresçam e evoluam como jogadores, conquistem seus espaços e representem bem nosso país. É difícil chegar à NBA, mas se manter é muito mais. É preciso muito foco, saber o que quer e concentração para trabalhar. Você precisa se dedicar para ganhar espaço e ter coração, deixar tudo em quadra”, aconselhou o pivô.

Quem será o próximo brasileiro a vencer a NBA? (Foto: Reprodução/Twitter)

Tiago Splitter após o título inédito da NBA (Foto: Reprodução/Twitter)

Recorde de jogadores estrangeiros

Esta será a temporada com o maior número de estrangeiros na liga: são 101 atletas de 37 países e territórios. No ano passado, eram apenas 92. A equipe com mais jogadores internacionais é o San Antonio Spurs, com nove atletas. O Minnesota Timberwolves e o Brooklyn Nets estão logo atrás, com seis cada.

O Canadá é o país com maior número de representantes (12), incluindo as duas escolhas número 1 dos dois últimos drafts – Anthony Bennett e Andrew Wiggins -, companheiros em Minnesota. A França vem a seguir, com dez, e Austrália e Brasil, com oito e sete, estabeleceram novos recordes de participação na liga. A Espanha completa os cinco primeiros com cinco representantes.

O número de jogadores estrangeiros na liga mais que dobrou desde a temporada 2000/2001, quando 45 atletas estavam inscritos, e quase que quintuplicou desde 1990/1991, quando haviam apenas 21 atletas internacionais. Nesta temporada, os jogos da NBA serão transmitidos em 215 países e em 47 línguas.

Comments
To Top