MLB

Prévias MLB 2019: Divisão Oeste da Liga Americana

Projeção da posição na Divisão Oeste da Liga Americana

A Divisão Oeste da Liga Americana chega para a temporada de 2019 com a expectativa de não ter muitas alterações. Algumas forças mudaram em relação à 2018, mas em relação à parte de baixo da tabela. O Houston Astros segue como favorito e Oakland Athletics tenta se estabelecer como a segunda força após surpreender a muitos no ano passado. Los Angeles Angels, Texas Rangers e Seattle Mariners não devem empolgar a muitos.

PS: diferentemente dos outros anos, a AL West veio como a primeira prévia porque A’s e M’s se enfrentam no Japão na abertura antecipada da temporada.

Veja também: Todos os jogadores contratados pelas equipes da MLB

(Crédito: Instagram/reprodução)

Houston Astros

Desempenho em 2018: 103-59 (campeão da divisão)
Melhora, piora ou fica na mesma? Piora
Projeção da posição na Divisão Oeste da Liga Americana:
Linha de vitórias em Las Vegas: 96,5
Ponto forte: lineup consistente
Ponto fraco: rotação enfraquecida

A equipe de A.J. Hinch chega com fome para voltar a ser campeã após perder para o Boston Red Sox na final da Liga Americana. Começando pela parte ruim, a rotação titular perdeu o ace Dallas Keuchel (que segue sem equipe) e Charlie Morton. Lance McCullers Jr. está lesionado. Justin Verlander e Gerrit Cole, que irão se tornar free agency ao término da temporada, terão que segurar o rojão. Wade Miley e Brad Peacock são os outros nomes de destaque e, se o primeiro mantiver o desempenho de 2018 (ERA de 2,57 em 80 2/3 entradas em 16 jogos como titular) as coisas ficam mais animadoras.

O bullpen tem seus problemas e será comandado por Roberto Osuna.

A grande questão entre os jogadores de posição é Carlos Correa. Conseguirá o shortstop se manter saudável? Já no caso de Yuli Gurriel perguntamos: ele está em queda? Por outro lado, o terceira base Alex Bregman parece estar chegando ao auge e poderá brigar pelo título de MVP junto com Jose Altuve. No campo externo, Michael Brantley parece ser a adição perfeita ao elenco.

Dessa forma, os Astros mantêm o seu forte ataque que raramente tem swings and misses. A rotação está enfraquecida, mas deve dar conta do recado na divisão. Robinson Chirinos será o receptor e não representa uma queda grande de qualidade. Com ajustes o time estará entre os favoritos a vencer a World Series.

(Crédito: Instagram/reprodução)

Oakland Athletics

Desempenho em 2018: 97-65 (vaga no wild card)
Melhora, piora ou fica na mesma? Fica na mesma
Projeção da posição na Divisão Oeste da Liga Americana:
Linha de vitórias em Las Vegas: 83,5
Ponto forte: jovens jogadores
Ponto fraco: expectativa por um bom desempenho

Curiosamente, os Athletics foram aos playoffs em quatro anos nos últimos sete anos, sendo que apenas os Dodgers têm mais visitas à pós-temporada nesse período. Com o desempenho surpreendente de 2018, a expectativa é que a equipe da Califórnia, agora o único time de Oakland (Raiders irão para Las Vegas em breve), volte a brigar por uma vaga em outubro.

Khris Davis é o cara da potência e seguirá liderando a equipe com os jovens Matt Chapman e Matt Olson sendo os nomes que seguram a barra no infield. Stephen Piscoty é o grande destaque do outfield e a expectativa é ver Ramon Laureano jogando pela primeira vez na MLB.

A rotação titular segue sem grandes nomes e terá alguns veteranos. Bob Melvin, que merecidamente foi o Manager of the Year, cogita utilizar um opener (reliever como abridor). Mike Fiers, Marco Estrada e Brett Anderson são os veteranos da rotação titular. O bullpen terá os sinkers de Blake Treinen e a experiência de Fernando Rodney, Joakim Soria e Jerry Blevins.

(Crédito: Instagram/reprodução)

Los Angeles Angels

Desempenho em 2018: 80-82
Melhora, piora ou fica na mesma? Piora
Projeção da posição na Divisão Oeste da Liga Americana:
Linha de vitórias em Las Vegas: 82,5
Ponto forte: dupla Mike Trout e Shohei Ohtani
Ponto fraco: rotação titular

A temporada de 2019 marcará uma nova era. Depois de 19 temporadas de muito sucesso e de uma verdadeira reviravolta na franquia, Mike Scioscia deixa o comando da equipe e Brad Ausmus é o novo manager. Ele precisará tirar o melhor de seus jogadores, incluindo o melhor atleta da atualidade, Mike Trout, e o único Shohei Ohtani, que não arremessará em 2019, mas seguirá como DH.

Junto às duas estrelas da equipe, Justin Upton dá potência no bastão e Albert Pujols segue como uma incógnita com seu contrato interminável e produção em franca queda. Andrelton Simmons é um excelente defensor e o time ganha um ótimo comandante no home plate com a chegada de Jonathan Lucroy. Justin Bour pode dar caldo na primeira base.

Matt Harvey voltará ao seu auge ou atuará a nível aceitável de forma consistente? Trevor Cahill conseguirá repetir o excelente 2018 (ERA de 3,76 em 110 entradas)? E Andrew Heaney (ERA de 4,15 em 180 innings)? É difícil prever e acreditar que tudo dará certo. No entanto, se um deles se destacar e acompanhar Tyler Skaggs, a campanha pode ser razoável e positiva. No bullpen, todas as atenções para o recém-chegado Cody Allen.

É o suficiente para desafiar a maior força no momento na Divisão Oeste da Liga Americana, o Houston Astros? A resposta é dificilmente.

(Crédito: Instagram/reprodução)

Texas Rangers

Desempenho em 2018: 67-95
Melhora, piora ou fica na mesma? Fica na mesma
Projeção da posição na Divisão Oeste da Liga Americana:
Linha de vitórias em Las Vegas: 71
Ponto forte: Charles Leclerc
Ponto fraco: eterna reformulação

Os anos passam e o Texas Rangers segue em reformulação. Pouco saiu desde a conquista back to back da divisão em 2015 e 2016 e será uma grande surpresa se o time sair do fundo da Divisão Oeste da Liga Americana.

Chris Woodward é o novo comandante e a principal tarefa do general manager Jon Daniels será encontrar peças para o futuro. O fechador Charles Leclerc é o nome mais interessante e pode render alguns frutos.

O grande problema da franquia de Arlington é que os jogadores jovens não representam uma boa fundação para o futuro. Nomar Mazara ainda pode ser o que todos esperavam, entretanto atualmente é um jogador acima da media. Joey Gallo vem demonstrando que irá mudar sua abordagem de average .200, 200 strikeouts e 40 home runs, contudo o quanto ele pode melhorar. O mesmo vale para Rougned Odor.

Com a saída de Adrian Beltre, Asdrubal Cabrera assume a terceira base. Shin-Soo Choo é um dos destaques, mas recebe muito pelo o que apresenta em campo. Hunter Pence é um nome que irá compor elenco.

A rotação titular é um caminhão de nomes veteranos que vêm tendo desempenho mediano. Mike Minor será o principal nome. Em seguida, estão Lance Lynn, Drew Smyly e Edinson Volquez, que são “comedores” de entrada e podem formar um grande grupo se todos jogarem o seu melhor. O que não irá acontecer.

(Crédito: Instagram/reprodução)

Seattle Mariners

Desempenho em 2018: 89-73
Melhora, piora ou fica na mesma? Piora
Projeção da posição na Divisão Oeste da Liga Americana:
Linha de vitórias em Las Vegas: 71,5
Ponto forte: recebeu bons prospectos
Ponto fraco: saída de todos os destaques

Após muito tempo ficando no quase, o Seattle Mariners – que basicamente jogou fora a vaga nos playoffs em 2018 – optou por entrar no árduo processo de reformulação.

Vale lembrar que a equipe é a com maior seca de pós-temporada nos esportes dos Estados Unindo, sendo que não joga em outubro desde 2001. Cinco grandes nomes foram embora: James Paxton, Edwin Diaz, Robinson Cano, Jean Segura e Mike Zunino. Agora é esperar os prospectos virarem jogadores da MLB. Ou seja, a Divisão Oeste da Liga Americana tem seu nome mais fraco aqui.

A rotação recebeu o supervalorizado Marco Gonzalez, que será o titular na abertura da temporada. Yusei Kikuchi chega do Japão e parece ser uma boa aposta. No entanto, Felix Hernandez está em decadência e Mike Leake é ok. No bullpen, Anthony Swarzak é um nome interessante assim como Sam Tuivailala e Hunter Strickland. Justus Sheffield é um bom prospecto que pode pintar nas grandes ligas em breve.

J.P. Crawford foi uma das contrapartidas na troca de Jean Segura e pode ser lapidado. Malex Smith chegou no outfield e é um jogador rápido, versátil e de contato. Ele casará muito bem com Mitch Haniger. O infield conta com Kyle Seager e Dee Gordon como destaque. Edwin Encarnacion fornecerá potência como DH. Menção honrosa para o lendário Ichiro Suzuki que compôs elenco nos jogos no Japão e se aposentou.

Comments
To Top