MLB

Prévia World Series 2016: Cleveland Indians x Chicago Cubs

World Series

(Crédito: Instagram/reprodução)

Prévia World Series

Chicago Cubs e Cleveland Indians farão uma World Series pouco esperada. Enquanto o time de Illinois era cotado desde o início da temporada como um dos favoritos para vencer o título, a equipe de Ohio foi ‘comendo pelas beiradas’ e chegou à tão esperada final depois de 19 anos. A franquia está ajudando Cleveland, que ficou 51 anos sem título – algo quebrado pelos Cavaliers (NBA) – a ter um ano ainda mais especial. O último título dos Indians foi em 1948 (ou seja, 68 anos sem conquistar uma World Series).

Apesar disso, a equipe de Chicago vinha com uma carga pesadíssima nas suas costas. Os Cubs venceram a sua última World Series em 1908 (seca de 108 anos) e não conquistavam um título de liga e iam para a grande final da MLB há 71 anos. Não era apenas isso. A franquia da família Ricketts lutava com um passado traumático, entre eles o caso de Steve Bartman – fã que atrapalhou um jogador dos Cubs e ajudou a equipe a perder o título de liga em 2003 – e a maldição do bode feita por Billy Sianis, que jurou que a equipe de Illinois não venceria e não iria mais para a grande final (OBS: a maldição ainda prevê que ps Cubs não irão vencer mais partidas na World Series). O fato ocorreu durante a World Series de 1945, quando ele foi expulso do estádio por ter levado o seu bode.

Lutando contra o seu passado, o time de Chicago teve a melhor campanha na Major League e terminou o ano com recorde de 103-58. Nos playoffs, uma campanha totalmente diferente, mas com vitórias por 3 a 1 sobre o San Francisco Giants e 4 a 2 sobre o Los Angeles Dodgers. Do outro lado, os Indians se mostraram um time ‘copeiro’ e venceram a sua divisão com uma campanha de 94-67. Na pós-temporada, os jogadores de Cleveland superaram adversidades – como estar sem dois dos seus melhores abridores e com um Yan Gomes baleado – e conseguiram duas vitórias imponentes: uma varrida no Boston Red Sox e um 4 a 1 no Toronto Blue Jays.

Um dado interessante é que as duas equipes ainda não se enfrentaram em 2016.

(Crédito: Instagram/reprodução)

(Crédito: Instagram/reprodução)

Panorama geral dos Indians

Podendo contar com o retorno de Danny Salazar, os Indians ganham um excelente reforço para a rotação titular. Mesmo assim, Terry Francona conta com o ace Corey Klueber, que vem dominando até aqui. Josh Tomlin vem surpreendendo nos playoffs e ajudará muito. No entanto, ainda existe um ponto de interrogação: como está o dedo de Trevor Bauer.

O bullpen conta com o melhor reliever da liga, Andrew Miller, e com o ótimo fechador Cody Allen, sendo que ambos formam uma grande dupla para as entradas finais. Bryan Shaw é o outro nome entre os principais, mas ele está longe de ser um grande destaque, assim como Dan Otero. Quem poderá ganhar algum espaço é Ryan Merritt, que fez um bom início no jogo 5 contra os Blue Jays.

Da mesma forma que os Cubs, a franquia de Ohio não chega com o ataque voando, mas os Indians vêm sendo muito oportunistas e eles correm muito bem em bases, o que ajuda muito em momento decisivos. Lonnie Chisenhall e Francisco Lindor são os grandes nomes do ataque até então. Além deles, Jose Ramirez vem decidindo e jogadores como Kipnis e Carlos Santana brilham de vez em quando. Coco Crisp também é uma boa opção para alguns jogos.

Cubs

(Crédito: Instagram/reprodução)

Panorama geral dos Cubs

O Chicago Cubs vem com uma rotação titular experiente para a grande final. John Lackey e Jon Lester têm muita cancha em finais, entretanto aquele não jogou muito bem ainda na pós-temporada. Além disso, eles contam com Jake Arrieta, último CY Young da Liga Nacional, e Kyle Hendricks, que fez um ano de 2016 espetacular e é dominante em partidas disputadas em casa.

O bullpen não é tão confiável assim, entretanto Aroldis Chapman dificilmente decepciona e é o cara que garante as vitórias para Joe Maddon. Travis Wood, que vem muito bem nesse playoff, e Mike Montgomery são os caras que fazem o trabalho sujo quando se precisa de um arremessador que joguem mais entradas. Rondon e Strop deveriam ser os caras da sétima e oitava entrada, entretanto o desempenho deles até aqui não foi bom.

Um dos principais problemas dos Cubs é o ataque, que conseguiu brilhar no final da série contra os Dodgers, mas que vem oscilando muito. O principal ponto é que os principais nomes e a parte nobre do lineup não estão conseguindo ter um bom desempenho, o que deixa corredores em base e faz chances serem desperdiçadas.

Até o momento, apenas Wilson Contretas, Javier Baez, Kris Bryant e Dexter Fowler estão sendo realmente efetivos. Ben Zobrist decide algumas vezes, contudo nomes importantes como Anthony Rizzo e Jason Heyward vêm decepcionando. Vale lembrar que, para os jogos em Cleveland, eles precisaram de um rebatedor designado, que poderá vir a ser Kyle Schwarber – está retornando de lesão – ou Jorge Soler.

Matchups dos arremessadores titulares

As rotações titulares ainda estão indefinidas, principalmente pelo problema no dedo de Bauer, contudo podemos arriscar que teremos Kluber x Lester, Arrieta x Bauer (depende do dedo) ou Tomlin, Tomlin (se Bauer se recuperar para o jogo 2) ou Bauer x Hendricks e Salazar (se realmente voltar) x Lackey.

O primeiro confronto tem tudo para ser uma partida de pouco corridas. Jon Lester vem fazendo uma pós-temporada surreal, enquanto Kluber vem mantendo o alto nível e vem sendo o cara da rotação titular.

O segundo confronto está em aberto, mas Tomlin tende a levar vantagem sobre Arrieta pelo o que vemos até agora. Contudo, Arrieta é um pitcher melhor. O terceiro confronto tem o mesmo problema, mas Hendricks é o favorito, principalmente pela sua performance muito boa em casa. O último confronto é muito interessante, por colocar um jogador em recuperação contra um veterano que já brilhou muito e ainda não foi tão bem nesses playoffs.

Duelo por posição

Na rotação titular, as duas equipes chegam muito parelhas, com dois arremessadores jogando muito bem e dois bons nomes oscilando. Contudo, a vantagem vai para os Cubs, já que não se sabe o que Salazar pode produzir e pela experiência dos arremessadores da franquia de Illinois.

O bullpen vive uma situação similar, mas a vantagem é dos Indians por contarem com dois grandes nomes e terem Andrew Miller, que pode entrar a qualquer momento e, geralmente, ele vem decidindo quando acionado.

A equipe de Chicago vence o duelo atrás do home plate. Além de ter mais opções, o desempenho ofensivo é melhor. Além disso, a equipe de Terry Francona conta com um Yan Gomes que está retornando de lesão.

A disputa no campo interno é muito equilibrada, mas os Cubs levam a melhor no geral. Francisco Lindor (shortstop) é quem se destaca pelo Indians, enquanto Kris Bryant, Javier Baez e Anthony Rizzo são melhores nas outras posições.

Se a disputa no campo externo fosse apenas por nomes, o time de Illinois levava a melhor, mas, pelo momento, um empate técnico seria a melhor forma resolver esse duelo. Os Indians têm Chisenhall, mas os Cubs contam com Fowler, que vem jogando bem, e Ben Zobrist, que é decisivo apesar de não estar com bons números na pós-temporada.

managers

Duelo de managers

Talvez teremos um dos melhores duelos de managers da história da World Series. Tanto Joe Maddon (Cubs), quanto Terry Francona (Indians) são revolucionários e comandantes que gostam e não têm medo de arriscar. Se fosse preciso definir esse duelo em poucas palavras, eu diria um confronto entre dois gênios, loucos e revolucionários.

Francona chega para essa World Series com dois títulos da MLB (2004 e 2007 com o Boston Red Sox) nas costas e um prêmio de Manager do Ano (2013). Além disso, ele traz consigo uma equipe com um excelente jogo de corridas de base e uma forma inovadora de utilizar o bullpen.

Já Maddon traz no seu currículo três prêmios de Manger of the Year (2008, 2011 e 2015) e uma World Series (2002 com o Los Angeles Angels). Ele é um treinador que trabalha muito bem com jovens e está revolucionando a forma de se utilizar o shift, se baseando nos seus arremessadores em vez dos rebatedores.

Datas dos Jogos

Jogo 1 – Cleveland Indians x Chicago Cubs – 25/10

Jogo 2 – Cleveland Indians x Chicago Cubs – 26/10

Jogo 3 – Chicago Cubs x Cleveland Indians – 28/10

Jogo 4 – Chicago Cubs x Cleveland Indians – 29/10

Jogo 5 – Chicago Cubs x Cleveland Indians* – 30/10

Jogo 6 – Cleveland Indians x Chicago Cubs* – 01/11

Jogo 7 – Cleveland Indians x Chicago Cubs* – 02/11

*se necessário

Comments
To Top