MLB

Larkin aprova trabalho dos pitchers, lamenta derrota sem corridas e tira o chapéu para Israel

Barry Larkin lamentou a derrota, mas também elogiou o desempenho do adversário (Crédito: Yuki Taguchi/WBCI/MLB Photos via Getty Images)

Barry Larkin lamentou a derrota, mas também elogiou o desempenho do adversário (Crédito: Yuki Taguchi/WBCI/MLB Photos via Getty Images)

Do MCU Park, em Nova York (Estados Unidos) – A derrota por 1 a 0 para Israel no segundo dia do World Baseball Classic qualifier não tirou o humor do treinador da Seleção Brasileira de beisebol, Barry Larkin. O comandante do Brasil não poupou elogios aos arremessadores do Brasil após o duelo, que obrigará a equipe a voltar a campo neste sábado, e lamentou as chances desperdiçadas pelo ataque.

“Temos que continuar arremessando do jeito que estamos arremessando. Nossos pitchers realmente apareceram para o jogo e fizeram o trabalho deles”, afirmou o treinador brasileiro, 12 vezes All-Star na MLB e eleito para o Hall da Fama em 2012.

Bo Takahashi, titular no jogo e que atua no Single A do Arizona Diamondbacks, Murilo Gouvêa, que tem larga experiência nas minor leagues, Felipe Sales e Hugo Kanabushi, ambos atuando no Japão, contiveram ataque israelense, repleto de jogadores que atuam nos Estados Unidos, a apenas uma corrida.

“Durante todo momento tive em mente ser agressivo e sair na frente na contagem. Foi um excelente jogo [dos arremessadores] e queríamos a vitória, mas temos que saber que às vezes perdemos, às vezes ganhamos. Vamos seguir em frente, jogar como o Brasil sabe jogar, e continuar lutando pelo que viemos aqui fazer”, analisou o arremessador titular do Brasil.

O Brasil teve chances marcar no duelo, mas não soube aproveitar seus homens em base. Ao fim da partida, a equipe teve 9 corredores deixados em base, sendo 6 em posições para anotar corridas. Para Larkin, o segredo para seguir vivo na busca pela vaga no WBC 2017 passa em capitalizar nessas oportunidades.

“Temos que anotar corridas e aproveitar as chances. Hoje nossos arremessadores funcionaram, mas o que deu errado é que não conseguimos colocar corridas no placar”, avaliou o técnico, antes de enaltecer o trabalho da equipe adversária.

“Nós não aceitamos perder jogos, mas, quando somos vencidos, temos de dar crédito quando o crédito é devido. [Corey] Baker veio e se impôs. Temos de tirar o chapéu”, finalizou.

Comments
To Top