Coluna Bullpen

Bullpen: Mets perderam a World Series para eles mesmos

(Crédito: Instagram/reprodução)

(Crédito: Instagram/reprodução)

No último domingo (01), o Kansas City Royals conquistou a World Series após ganhar de virada do New York Mets no jogo 5. Apesar dos campeões terem feito muitas coisas certas, como sempre arriscar correndo, ter um bullpen muito confiável e sempre conseguir encaixar sequências de rebatidas, o título poderia estar em Nova York se os Mets não tivessem perdido para si mesmo.

Tudo começa no jogo 1. Apesar de ter começado muito mal na partida, o time nova-iorquino teve a oportunidade de começar a série com uma vitória fora de casa, entretanto Jeurys Familia cedeu o seu primeiro blown save nos playoffs e o jogo foi para a prorrogação.

Ainda nessa partida, o time apenas perdeu porque Bartolo Colon deixou as bases cheias e Eric Hosmer conseguiu a rebatida de sacrifício. Tudo bem que era algo que poderia acontecer, já que a partida estava na prorrogação, no entanto com arremessadores reservas um pouco melhores os Mets poderiam ter tentando silenciar o ataque dos Royals antes das bases lotarem.

No segundo jogo, o ataque, que estava com uma produção fora do normal, foi silenciado por Johnny Cueto e, no outro lado do confronto, Jacob deGrom não foi nem de perto o mesmo das outras partidas da pós-temporada e da temporada regular.

A terceira vitória do time comandado por Ned Yost também viria com uma virada. Tudo começou com Tyler Clippard, que não foi nada bem e deixou Familia em uma má situação. O fechador não conseguiu fazer o seu serviço e permitiu a virada.

Daniel Murphy também foi um personagem marcante no jogo 4. O segunda base cometeu um erro horroroso, que poderia ter melhorado a situação e ajudado a evitar a virada. Murphy voltaria a errar no último jogo de 2015.

No último jogo a cagada foi conjunta. Matt Harvey fazia uma atuação monumental, até querer jogar mais do que devia. Terry Collins foi conivente e permitiu que o pitcher fosse para a nona entrada e não o tirou após ceder o primeiro walk.

Para piorar ainda a situação, Familia, que até então, antes da World Series, estava sendo impecável, sofreu o seu terceiro blown save nos playoffs e se tornou o primeiro arremessador a atingir essa marca negativa.

Outro ponto muito negativo foi o receptor Travis d’Arnaud, que deixava qualquer um roubar bases, principalmente a segunda base e ainda não compensava ofensivamente. Para falar bem a verdade, até minha vó, com o joelho lesionado, poderia roubar a segunda base com d’Arnaud atrás do home plate.

Não há dúvidas de que Paulo Orlando e sua equipe tiveram muitos méritos pela conquista e mereceram por todo o trabalho de recuperação de 2014 que fizerem, contudo o New York Mets deu uma mãozinha enorme. Além disso, se as falhas não tivessem acontecido, a série poderia ter terminado em 4 a 1 para a equipe da Big Apple ou a série seria mais longa.

O lado bom para os fãs dos Mets é que o time tem muitos jovens arremessadores e deverá continuar a brigar nos próximos anos, ainda mais se melhorar a defesa, principalmente o campo interno. Mesmo assim, a derrota não irá ser esquecida tão brevemente, pois o jogo de abertura do time de Nova York será em Kansas City com direito a entrega dos anéis de campeão.

Comments
To Top