MLB

André Rienzo: “a gente tem que escolher uma hora na vida entre diversão e trabalho”

André Rienzo, 27 anos, é arremessador do Miami Marlins e recebeu uma notícia um pouco ruim. O brasileiro voltou a ser rebaixado para as ligas menores e continua a sua luta para conseguir se fixar na MLB e não ficar sendo promovido e depois rebaixado.

Em entrevista exclusiva para o QUINTO QUARTO, que foi conversar com ele no Elite Camp, o atleta explicou o porquê foi rebaixado e afirmou que a franquia de Miami jogou limpo com ele.

“Eu estou indo para o Spring Training, vou fazer o Spring Training da Major League”, falou André Rienzo sobre a sua situação para o início da temporada. “Quando eles me ligaram foram bem sinceros com o que estava acontecendo e eu achei bem legal. Difícil você ver isso no beisebol, porque é um negócio, é um business muito grande. Eles me ligaram e falaram ‘a gente está tentando contratar três arremessadores e se os três arremessadores vierem, vai precisar de um espaço no roster’ (o que acontecer). Eu falei que tudo bem, mas eles me deixaram claro que queriam que eu ficasse com eles na Minor, porque eles têm a opção de me deixar livre, me mandar embora. Mas eu gostei da sinceridade”.

Parte do interesse em manter André Rienzo é o bom desempenho do atleta que já está tentando ser firmar na MLB há três anos, dois com o Chicago White Sox e um com os Marlins. O arremessador pode jogar tanto no bullpen como na rotação titular e, apesar de terminar com números ruins, ele estava indo bem, em relação a números, até os últimos jogos.

“Meu maior problema é que eu sempre começo muito bem, aí eu acho que a gasolina acaba e eu dou uma caída, meu rendimento acaba, e o americano é muito baseado em números”, falou Rienzo. “O meu número antes dos últimos dois jogos era um dos melhores do bullpen do Miami, depois já não eram mais. Então, como é baseado muito em número, eu tenho que focar muito nisso, em não só começar bem. Tem que terminar bem também”.

O comentário sobre cair em desempenho vale tanto para quando ele joga como titular, em que o começo é bom e na quinta ou sexta entrada o desempenho cai, tanto como no bullpen, que foi o que aconteceu no ano passado. Mesmo assim, o segundo brasileiro a jogar na MLB trouxe uma estatística diferente e muito interessante.

“No ano passado eu tenho um número que é engraçado e pouca gente sabe. Eu entrei cinco vezes com bases cheias. E eu consegui segurar quatro. Uma não deu, mas nas outras quatro eu consegui ter resultado. Então é um número que é só interno, a gente que está lá dentro sabe”.

André Rienzo ainda contou que como ele já está com 27 anos é hora de focar no jogo e deixar a diversão de lado. Para isso, ele já treinou no Elite Camp, aproveitando para ganhar entrosamento com atletas que podem ir para a classificatória do World Baseball Classic, e vai abdicar de aproveitar o carnaval no Brasil.

“O cara que é bem pago, o cara que ganha mais sempre vai ter um espaço seguro no time. A gente não. Mas foi legal a sinceridade e a preparação é sempre a mesma”, começou Rienzo falando sobre a contratação dos novos arremessadores, como Wei-Yin Chen. “Tanto que eu comecei a me preparar já tem um tempo. Eu estou aqui pensando mesmo em ir embora, Carnaval vai ser treinando. Eu não pego Carnaval no Brasil, esse ano vai ser o segundo em 10 anos. Mas a gente tem que escolher uma hora na vida entre diversão e trabalho e o trabalho acaba falando mais alto. Eu estou ficando mais velho, então deixa a diversão para depois”.

Também no Elite Camp, o QUINTO QUARTO entrevistou Barry Larkin e o membro do Hall da Fama confirmou, de forma exclusiva, que vai ser o treinador da Seleção Brasileira na classificatória do World Baseball Classic em setembro desse ano.

Outras entrevistas feitas no Elite Camp e mais declarações de André Rienzo serão disponibilizadas em breve.

Comments
To Top