Butt Fumble

Black Friday do QQ: ofertas na NFL para comprar e outras para deixar na loja

Black Friday

(Crédito: Twitter/reprodução)

Bem-vinda, Black Friday! Dia de economizar e comprar aquela máquina de lavar que sua mãe queria desde o começo do ano ou de pegar aquele Fiat 147 com desconto imperdível.

Sabemos que, aqui no Brasil, infelizmente não temos aquela cultura de descontos gigantescos como vemos nos Estados Unidos, onde dá para comprar um trenó a diesel por 35 dólares no dia seguinte ao Thanksgiving. Entretanto, ainda é possível encontrar boas ofertas se procurar bem.

Aqui no Quinto Quarto, resolvemos preparar um conteúdo especial para você se divertir e ponderar/debater sobre as principais ofertas nesta temporada 2018 da National Football League.

Confira nosso podcast de palpites (Quinto Quarto Expresso), publicado toda quinta antes da rodada da NFL

O que vale a pena pegar na loja e usar o cartão de crédito para levar pra casa? E o que vale deixar na prateleira para que encalhe? E se aquela oferta te deixa com dúvida sobre ser boa ou uma roubada completa?

Pois vamos estimular esse debate com esse texto bastante descontraído. Para fazer jus ao nosso DNA.

Vamos à Black Friday do QQ!

Para comprar agora mesmo (com ou sem desconto)

– Patrick Mahomes

Esqueça as três interceptações e os dois fumbles perdidos na derrota por 54 a 51 no jogo épico contra o Los Angeles Rams. E, ainda assim nesse, jogo, o astro do Kansas City Chiefs teve ótima atuação e lançou para seis touchdowns.

O camisa 15 está fazendo por merecer, jogo após jogo, estar nas conversas para o prêmio de MVP.

Em 11 partidas até agora na temporada 2018, são 67,5% dos passes completados para 3.628 jardas, 37 touchdowns e 10 interceptações. O signal caller de 23 anos de idade é abusado, confiante e vem colocando os Chiefs como favoritos para ter a melhor campanha da Conferência Americana (AFC).

Um ano inteiro sentado no banco e aprendendo o playbook com Alex Smith fez bem ao jogador selecionado com a décima escolha geral do draft de 2017.

– Ataque do Los Angeles Rams

Liderado pelo quarterback Jared Goff e pelo running back Todd Gurley, o ataque dos Rams vem dando o que falar nesta temporada. Se você ainda tem alguma dúvida do potencial dessa unidade, eu deveria recomendar que fosse ao psiquiatra. Em vez disso, vou ser gentil e pedir que assista ao Monday Night Football da semana 11.

(Não, eu não me canso de falar sobre o duelo épico contra o Kansas City Chiefs).

Olhando para as estatísticas, vemos os Rams com média de 448,6 jardas pro jogo, liderando a NFL no quesito, e também com 35,4 pontos anotados por jogo, o que deixa o time atrás de New Orleans Saints (37,8) e Kansas City Chiefs (36,7), também times de escola ofensiva.

Sean McVay é o cara desses Rams e ele transformou esse time na máquina de somar jardas e pontos que estamos vendo.

Gurley, com suas 1.484 jardas a partir da linha de scrimmage e 17 touchdowns totais não nos deixa mentir.

– Conexão Drew Brees-Michael Thomas

Eu, como torcedor do New Orleans Saints, sou suspeito para falar. O time comandado por Sean Payton tem muitas virtudes, sobretudo ofensivamente. A linha ofensiva é boa, o ataque terrestre é muito competente com Alvin Kamara e Mark Ingram. Mas nada se compara à sintonia entre Drew Brees e Michael Thomas.

Sobre Brees, nem é preciso falar muito. Ídolo maior da história da franquia da Louisiana, o camisa 9 não dá sinais de cansaço aos 39 anos de idade e está completando 76,4% de seus passes para 3.135 jardas, 29 touchdowns e duas interceptações (UAU).

E o grande responsável pelo sucesso de Brees nesta temporada (além dos deuses do futebol americano que lhe encheram de talento e de sua OL) é Michael Thomas.

Nesta temporada até agora, o wide receiver número 1 dos Saints agarrou 86 passes em 97 lançados por Brees em sua direção para 1.080 jardas e oito TDs. 88,6% de bolas agarradas tá bom pra você?

Para deixar na prateleira (e ainda esconder no fundo para ninguém pegar)

– Jon Gruden e seu Oakland Raiders

Esse para mim não poderia estar em pior momento em uma Black Friday. O primeiro ano de Jon Gruden de volta às sidelines tem sido desastroso. E a campanha de duas vitórias e oito derrotas parece ser o menor dos problemas do head coach, sinceramente.

Porque até isso tem o lado bom de ficar com uma escolha alta de draft (Derek Carr, por favor retire o que você disse…)

Os Raiders são uma verdadeira bagunça neste ano.

O time está em último ou nas últimas posições em diversas estatísticas coletivas neste ano. Resolvemos sortear duas: 17 pontos por partida (terceira pior da NFL) e 29,3 pontos cedidos por jogo (também terceira pior da liga).

Sinceramente, eu não vou gastar mais meu teclado escrevendo sobre os Raiders.

– Jason Garrett

O pior é que eu encerro o tópico acima não querendo gastar o teclado com Raiders e, logo abaixo, está o head coach do Dallas Cowboys. E o mais impressionante: não é meu amigo Miguel Amado (hater número 1 de Garrett) quem está digitando essas linhas.

Garrett, como o próprio Miguel não cansa de descrever, é o famoso treinador especialista em palmas motivacionais (que parecem não funcionar porque os Cowboys não parecem realmente motivados).

Dallas está jogando no Dia de Ação de Graças, mas o resultado não importa. Os torcedores dos Cowboys não têm que sentir gratidão por ter um técnico como ele.

Acha que eu estou sendo injusto? Ezekiel Elliott é um verdadeiro cavalo e o running back teve seis jogos nos primeiros dez da temporada com menos de 20 carregadas de bola. É tipo você ter uma Lamborghini e deixar na garagem para não gastar pneu.

Agora, como vamos contar isso para Jerry Jones e convencê-lo é que eu não sei…

– Todd Bowles

O New York Jets está com três vitórias em dez jogos até agora e Todd Bowles está mais na corda bamba do que o Jair Ventura no Corinthians.

Os Jets têm um elenco de final de Conferência Americana? Definitivamente não. Mas o regresso nesta temporada é evidente e a franquia nova-iorquina deveria ao menos parecer estar caminhando para a frente.

Os números de Sam Darnold também não ajudam. O quarterback calouro está com um passer rating de 68.3, o pior da NFL até agora, e lançou para 11 touchdowns e 14 interceptações, com apenas 55% dos passes completados.

É normal um calouro ter dificuldades em seu primeiro ano como profissional. Mas Darnold está bem pior do que isso. E esse pode ser um dos pontos decisivos para a demissão de Bowles.

Levo ou não levo?

– Chicago Bears

Eu levaria. Mas só com um descontinho. Eu gosto desse Chicago Bears (o primeiro time com o qual eu simpatizei na minha vida, para quem não sabe). A defesa é muito boa, com apenas 19,5 pontos cedidos por partida, e o sistema ofensivo de Matt Nagy é muito criativo.

O ataque está tão bem que até um quarterback como Mitchell Trubisky (cru, para dizer o mínimo) consegue ter tais números: 65,4% dos passes completados para 2.469 jardas, 20 touchdowns e nove interceptações.

Os Bears estão com 8-3 após a vitória sobre o Detroit Lions neste Thanksgiving e estão com a faca e o queijo na mão para vencer a divisão NFC North pela primeira vez desde 2010.

Eu gosto desses Bears e da defesa formada por peças como Khalil Mack, Roquan Smith e Eddie Jackson. Gosto mesmo. Mas vamos com calma…

– Los Angeles Chargers

Olho para a tabela da AFC e vejo esses Chargers com 7-3, logo atrás dos Chiefs, e penso: “poxa, que legal, ainda mais com L.A. sendo sempre afetado por lesões. É uma boa campanha”.

De fato é. Mas você não vê esses Chargers colocando tudo a perder em algum momento.

Se você me disser que vê Philip Rivers (que tem números bons, com 2.860 jardas, 23 TDs e seis INT) jogando na final da AFC, me chame e vamos tomar um café porque eu realmente quero ouvir as justificativas.

– Houston Texans

Eu vivo falando no nosso podcast Quinto Quarto Expresso, semana após semana, que gosto da ‘pegada’ (sem malícia, crianças) do técnico Bill O’Brien e eu gosto mesmo. Odeio head coach morto e o técnico dos Texans bota pra quebrar nas sidelines.

Ainda assim, ele é um técnico completo. Longe disso! Mas se Jason Garrett (agora foi o Miguel) é head coach na NFL, O’Brien também merece.

Eu não sei o que achar desses Texans além de sua defesa boa (liderada por J.J. Watt) e de um wide receiver monstruoso como DeAndre Hopkins. Então, é nesta categoria que eu tive que colocar.

Ah, fã do Quinto Quarto, com certeza esquecemos algo. Quem você acrescentaria nestas categorias?

Comments
To Top