Cachorrada

Richie Incognito é acusado de conduta desordeira e de fazer ameaças em casa funerária

Richie Incognito, ex-offensive lineman da NFL

(Crédito: Twitter/reprodução)

Richie Incognito, ex-offensive lineman da National Football League, foi preso na última segunda-feira (20) em Scottsdale, no Arizona, sob acusações de conduta desordeira e de fazer ameaças em uma casa funerária onde o corpo de seu pai estava sendo mantido.

Segundo o relatório policial divulgado nesta terça (21), Incognito entrou no Messinger Peak Mortuary e começou a agir de forma irregular ao redor de quatro funcionários. A polícia foi chamada quando Incognito imitou uma arma com sua mão e disse a um dos empregados que tinha um “carro cheio de armas” no estacionamento.

Posteriormente, a polícia encontrou duas pistolas Glock, um silenciador de pistola e três rifles no carro de Incognito. Ele disse aos policiais que tinha as permissões necessárias para ter aquelas armas.

De acordo com a polícia, Incognito “parecia não ter concentração e era incapaz de manter um pensamento coerente. Ao contrário, ele parecia divagar sobre várias coisas que não se correlacionavam”.

A polícia também notou que “os humores (de Incognito) eram erráticos, pois ele seria muito respeitoso em relação ao policial em determinado momento, e (então) imediatamente levantaria a voz e exigiria que fosse libertado das algemas na sequência”.

A polícia de Scottsdale confirmou que Incognito pagou uma fiança de US$ 20 mil nesta terça e foi liberado. Uma conferência pré-julgamento no dia 27 de agosto no Tribunal Municipal de Scottsdale está agendada.

Incognito anunciou no último domingo (19), via Twitter, que seu pai havia falecido no sábado.

Um funcionário da funerária disse à polícia que a família de Incognito não permitiria que ele comparecesse ao funeral e Incognito não estava cooperando com o irmão na assinatura da papelada para que o corpo do pai fosse cremado.

Depois de entrar na agência funerária na segunda-feira, Incognito começou a “falar sobre muitas coisas aleatórias que não faziam sentido”, disse um funcionário à polícia. Incognito então “andou pela casa funerária, dando socos em caixões e jogando coisas”. Em determinado momento, ele disse aos funcionários que queria que eles cortassem a cabeça de seu pai para fins de pesquisa.

Segundo o relatório policial, ele posteriormente assinou a papelada da cremação, mas então disse aos funcionários que desejava comprar um caixão e ver seu pai sendo enterrado.

Quando os empregados então mostraram os caixões, ele pegou uma urna de uma prateleira e a atirou no caixão. O ex-offensive lineman também deu um soco em uma impressora no escritório da funerária, segundo um funcionário.

Incognito mais tarde começou a conversar com um funcionário sobre suas armas enquanto fazia a forma de uma arma com a mão e apontava para o funcionário. Esse empregado correu para um quarto seguro no andar de baixo. Mais tarde, ele disse à polícia que achava que Incognito iria matá-lo.

Essa foi a segunda vez que Incognito foi detido desde que ele foi dispensado pelo Buffalo Bills da lista de aposentados, em maio.

Dois dias após ser liberado pelos Bills, Incognito foi levado sob custódia depois de um distúrbio em uma academia em Boca Raton, na Flórida, durante o qual a polícia acreditava que Incognito estava em um “estado alterado e paranoico”.

Um relatório do incidente obtido pela ‘ESPN’ na ocasião disse que Incognito arremessou objetos em empregados e “acreditavam que os cidadãos comuns eram funcionários do governo que o acompanhavam e registravam”.

Sob o Baker Act da Flórida, Incognito não foi preso, mas foi levado pela polícia de Boca Raton para um compromisso psiquiátrico involuntário para pessoas consideradas perigosas para si mesmas ou para os outros.

Atualmente com 35 anos de idade, Incognito disse à agência ‘The Associated Press’ em junho que estava de volta à sua casa, em Arizona, onde estava treinando depois de passar três dias em um hospital psiquiátrico.

No começo desse mês, ele afirmou ao site ‘TMZ Sports’ que recebeu ligações do Minnesota Vikings e do Seattle Seahawks, mas o técnico Mike Zimmer, dos Vikings, afirmou que isso é “totalmente falso”.

Depois de chamar Zimmer de “mentiroso” em um tweet bastante agressivo, Incognito posteriormente pediu desculpas ao head coach dos Vikings, também via Twitter.

Richie Incognito foi o pivô de uma investigação sobre bullying contra Jonathan Martin, seu então companheiro de time no Miami Dolphins, em 2013. O caso levou a uma suspensão de três meses imposta pela NFL ao offensive lineman.

Em julho deste ano, Incognito foi nomeado o “primeiro embaixador nacional” da Boo2Bullying, uma organização anti-bullying sem fins lucrativos sediada em Los Angeles.

Comments
To Top