Lance Livre

Lance Livre: demitam Byron Scott, Rockets e olho em Thibs e Brooks

(Crédito: Instagram/reprodução)

(Crédito: Instagram/reprodução)

Tinha tudo planejado para esta Lance Livre. Falaria de Byron Scott e como ele precisa ser demitido, de como os Rockets estão mal e como vão os Spurs na temporada de transição de uma dinastia para outra possível dinastia. Ai sai a notícia que os Rockets demitiram Kevin McHale.

Isso mudou meus planos? Isso quebrou minhas pernas?

COM CERTEZA.

Calma torcedores de Lakers e Rockets. Os mesmos dois bons treinadores, que estão no mercado, seriam avanços tanto para uma franquia como para outra, mesmo elas estando em posições completamente diferentes. Então vamos de parar de papo e vamos aos tópicos.

Demitam Byron Scott

Só tem uma pessoa no mundo que acha que os Lakers brigam por alguma coisa nesta temporada que não seja bom posicionamento no Draft do ano que vem. E essa pessoa se chama Byron Scott. Nem os dois filhos do lendário Jerry Buss acham que dá para beliscar uma oitava vaga nesse Oeste mais assassino que o dos filmes de Clint Eastwood.

Então a estratégia para 2015/16 deveria ser muito simples: fazer D’Angelo Russell, Julius Randle e Jordan Clarskon ganharem minutos, experiência e evoluírem. E deixar Kobe Bryant se despedir do jeito dele, jogando algumas partidas, arremessando algumas (algumas só) bolas que não devem ser arremessadas e recebendo ovações em todos os ginásios que passa.

Mas onze jogos depois e duas míseras vitórias, o que vemos é completamente diferente. Russell está jogando em média apenas metade das partidas (24,8) e Scott anda deixando ele de fora dos últimos quartos das partidas, dizendo que ele não fez por merecer “fechar” os jogos. De fato Russell está tendo números ruins, especialmente em aproveitamento de arremessos, mas isso não é normal para quem está jogando suas primeiras 11 partidas na NBA com 19 anos de idade?

Mas Scott parece não entender muito bem isso e uma de suas declarações que mais pegou mal foi “eu vou continuar tendo paciência, mas como disse a eles, não por muito tempo.” E também “eu não penso sempre em desenvolver eles, eu sempre penso em ganhar.” Ele coloca Lou Williams no último quarto ao invés de Russell porque pensa em ganhar. E isso é prejudicial para o médio e longo prazo da franquia, já que o curto está perdido e todos sabem disso.

Curiosamente, a paciência que falta com os mais novos se transforma em paciência de Jó com Kobe Bryant. Claro que o camisa 24 tem seus privilégios, entre outras coisas, por ter colocado cinco banners de campeão no teto do Staples Center. Justo. Mas mesmo aos 37, 45 ou 100 anos, um jogador é subordinado de um técnico. E um jogador que está acerta apenas 33,6% e ridículos 23,3% de três não pode estar no top 25 de caras que mais tentam tiros por jogo na NBA. Porque ai será uma festa dos tijolos, como já está sendo. Mas segundo Scott, a escolha de arremessos de Kobe não o preocupa.

Tirando o fato de ele não dar jogo para a segunda escolha do Draft deste ano e ser basicamente subordinado de Bryant e não o contrário, o fato de ele supostamente ser um treinador que monta boas defesas mas não montar uma boa defesa há anos é o pior. Os Lakers tem a quinta pior defesa do campeonato, e caso isso continue até o fim do campeonato, será a quinta defesa seguida de um time de Scott que termina entre os cinco últimos em eficiência.

Ter duas vitórias em 11 jogos nem é o maior problema dos Lakers neste momento. Ter um técnico que não tem bons resultados há anos e não parece dar importância ao que a franquia tem que fazer com prioridade (desenvolver jogadores) é motivo suficiente para corrigir esse rumo agora. Porque, novamente, não é que a temporada está se perdendo, ela já está perdida. O importante são os próximos anos e não dá para queimar nenhum talento.

Continuação e futuro dos Rockets

Aqui Lakers e Rockets se juntam porque ambos estão com necessidades na posição de treinador. Bom, tecnicamente nenhum dos dois está, já que Scott ainda tem um emprego e os texanos confirmaram J.B. Bickerstaff até o fim desta temporada.

Mas você, eu e o Ray Charles enxergamos que a necessidade mesmo assim existe. Sendo assim, há dois nomes no mercado que se encaixam bem demais nas duas franquias, já foram eleitos técnicos do ano da NBA (um em 2011, o outro em 2010) e têm suas qualidades evidentes. Vamos a eles.

Tom Thibodeau

TRAZ ELE JÁ: porque qualquer time que contratar ele automaticamente levará 7 pontos por jogo a menos. Monstro defensivo, ele faria James Harden ser um Bruce Bowen com barba. Ok, nem tanto, mas ajudaria a resolver o problema dos Rockets, que tomou mais de 100 pontos contra TODAS AS EQUIPES que jogou até agora. E nos Lakers a mesma coisa. Além disso, algo subestimado em Thibs é como ele conseguiu pegar jovens jogadores e fazer eles evoluírem (Derrick Rose e Jimmy Butler), mesmo que ele sonegue minutos deles no começo, e como ele transforma coadjuvantes em verdadeiramente bons jogadores (Joakim Noah, Taj Gibson, Mike Dunleavy e a lista continua). Ou seja, tudo que os Lakers precisam.

PENSA DUAS VEZES: ele vai dar treinamentos que mais parecem preparações para lutar contra o ISIS em território sírio. Ele vai fazer as principais estrelas jogar muitos minutos por jogo, não importa se for garbage time.

Ou seja, até o ponto negativo de Thibodeau é o que Lakers e Rockets precisam.

Scott Brooks 

TRAZ ELE JÁ: Kevin Durant, Russell Westbrook, James Harden e Serge Ibaka viraram Kevin Durant, Russell Westbrook, James Harden (ele um pouco menos) e Serge Ibaka na mão dele. É difícil falar de um treinador que saiba trabalhar mais com jovens estrelas que Scott Brooks. Além disso os jogadores gostam dele. Para os Lakers ele seria perfeito, já que saberia explorar talentos e ensinar o necessário para Russell, Randle e Clarkson. Para os Rockets seria bom porque ele teria Harden como comandado novamente. E ele jogou e ganhou campeonato em Houston.

PENSA DUAS VEZES: a insistência com Kendrick Perkins, o ataque ultrafocado em Westbrook e Durant e seus talentos e não em uma filosofia ofensiva que explorasse a genialidade dos dois. E ter dado minutos demais a veteranos como Derek Fisher em horas decisivas. Mas também há de se culpar o GM por isso.

Enfim, para Rockets e Lakers, se fechar os olhos e escolher um, qualquer das opções é um avanço. Por química acredito que Brooks para a Califórnia e Thibodeau para Houston seria o ideal. Vamos ver se as franquias vão mesmo seguir pelo caminho que estão ou já vão descobrir o telefone desses dois logo.

Troféu Brian Scalabrine

Stephen Curry é tetra, Russell Westrook é tri junto com James Harden e Andre Drummond é bi. A corrida pelo troféu Scalabrinão de Ouro do fim da temporada regular está bastante concorrida. E logo teremos a lista abaixo em um post separado já que ela começa a ficar grande demais.

27/10 – Stephen Curry, 28/10 – Russell Westbrook, 29/10 – Blake Griffin, 30/10 – Russell Westbrook, 31/10 – Stephen Curry, 01/11 – LaMarcus Aldridge, 02/11 – James Harden, 03/11 – Andre Drummond, 04/11 – Bradley Beal, 05/11 – Derrick Rose, 06/11 – James Harden, 07/11 – James Harden, 08/11 – Andre Drummond, 09/11 – Andrew Wiggins, 10/11 – Kristaps Porzingis, 11/11 – Dirk Nowitzki, 12/11 – Stephen Curry, 13/11 – Nicolas Batum, 14/11 – Blake Griffin, 15/11 – DeMarcus Cousins, 16/11 – Brandon Knight, 17/11 – Stephen Curry e 18/11 – Russell Westbrook

Comments
To Top