NFL

Prévia New England Patriots 2017: Pats miram mais um Super Bowl com o melhor time da NFL

Prévia New England Patriots

Chega a beirar o absurdo dizer que o New England Patriots de 2017/18 é melhor do que o time que venceu o Super Bowl LI. Mas é a mais pura verdade. O ataque responsável pela maior virada da história da NFL é agora o melhor ataque da Liga, com opções de elite para todas as posições. E a defesa também melhorou.

O fato é que o elenco é tão bom no papel, que comparações com o histórico time de 2007/08, aquele do recorde perfeito até ser derrotado pelo New York Giants no Super Bowl XLII, não são um exagero. Com a quantidade de armas no ataque, certamente veremos uma explosão ofensiva como quando o universo resolveu reunir Brady e Moss do mesmo lado da linha de scrimmage.

A grande questão que fica é: será que alguém na AFC consegue impedir a oitava aparição do dueto Brady-Belichick no Super Bowl?

Categoria: Um alvo nas costas

Desempenho em 2016: 14-2

Previsão nada científica para 2017: 13-3

Linha de Las Vegas (você pode apostar em mais ou menos vitórias que o número a seguir): 12,5

Jogadores de Pro Bowl em 2017: Tom Brady (QB), Dont’a Hightower (LB), Devin McCourty (S), Matthew Slatter (ST)

Quem pode se juntar a essa lista: Alan Branch (DT), Rob Gronkowski (TE), Elandon Roberts (LB), Trey Flowers (DE), Stephon Gilmore (CB), Mike Gilleslie (RB), Rex Burkhead (RB)

Vejamos o que faz do New England Patriots o melhor time da NFL.

O ataque aéreo é demais…

Beira o ridículo a qualidade do ataque dos Patriots. A reunião de jogadores desse calibre, ao mesmo tempo, é daquelas mais raras que trigêmeos heterozigóticos de três pais diferentes nascidos em 29 de fevereiro—não é sempre que acontece.

Tom Brady é, indiscutivelmente, o melhor quarterback de todos os tempos. E, para a temporada que chega, ele terá nada menos do que recebedores como:

Brandin Cooks, recém-chegado de New Orleans depois de duas temporadas com mais de 1100 jardas. O wide receiver impressionou durante os treinamentos de pré-temporada pela velocidade e profundidade que trouxe ao ataque aéreo; e

Rob Gronkowski, potencialmente—e se saudável—a força mais imparável da NFL. A conexão Gronk-Brady, nos 10 jogos em que fizeram juntos antes da lesão do tight end na última temporada, foi ranqueada pelo site Pro Football Focus como a mais produtiva da NFL desde que iniciaram esse tipo de análise. Gronkowski recebe para 3,18 jardas a cada rota que corre, a melhor média não só entre tight ends, mas qualquer recebedor na Liga.

A esses somam-se os wide receivers Danny Amendola, Chris Hogan, Malcolm Mitchell (calouro que surpreendeu na pós-temporada passada) e o recém-chegado tight end Dwayne Allen, substituto a altura para Martellus Bennett, que foi para os Packers.

A notícia ruim para os Pats é a lesão de Julian Edelman, que rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho direito no terceiro jogo da pré-temporada e está fora até ano que vem. Mas se há um time com alternativas suficientes para suprir a ausência do alvo preferido de Brady, é o New England. Belichick já deu indicações de que Danny Amendola assumirá mais responsabilidades no ataque aéreo e nos special teams. A resposta também pode estar no backfield.

… E o terrestre também

Josh McDaniels, coordenador ofensivo da equipe, terá em suas mãos um dos melhores backfields dos Patriots na última década. Nos últimos anos, a equipe contou com muitos touchdowns terrestres, apesar da produção mediana no jogo corrido. É que o game plan da equipe envolvia muito os running backs em jogadas dentro da linha de 5 ou 10 jardas. Foi assim que LeGarrette Blount liderou a NFL em TDs—18—apesar da média apenas ok de 3,9 jardas por corrida tentada.

Blount deixou a equipe após não receber uma renovação, e será substituído na função de running back de potência por Mike Gillislie, que liderou a Liga em jardas por tentativa com 5,7 e foi “roubado” dos rivais de divisão Buffalo Bills. Rex Burkhead, ex-Bengals, também chega como novidade no backfield e mostrou versatilidade nos duelos de pré-temporada.

Ao lado dos dois, James White (20 pontos anotados no Super Bowl) e Dion Lewis formam dupla com uma das melhores mãos entre running backs. Com a linha ofensiva em crescente evolução, Marcus Cannon e Shaq Mason são dois jovens com potencial para despontar, o time tem tudo para usar e abusar do jogo corrido nesta temporada.

Com um ataque imparável em todas as frentes, é de se cogitar quais recordes ofensivos essa equipe é capaz de quebrar? Será que os 76 TDs dos Broncos de 2013 está ameaçado? Em 2007, com Randy Moss e companhia menos competente, Brady lançou para 50, e o time teve 68 touchdowns no total—além do recorde de mais pontos anotados fora de casa em uma temporada, 314.

Prévia New England Patriots: a defesa merece mais crédito

Matt Patricia, aquele barbudo coordenador defensivo da equipe, é todo ano criticado pela fragilidade da defesa dos Patriots. E (quase) todo ano ele cala a boca dos críticos. Na hora H, a defesa de New England tira do bolso algumas performances dignas de elogio, como no segundo tempo do Super Bowl LI, ou duas semanas antes passando como um caminhão pelo ataque de Pittsburgh.

Dessa vez, Patricia entra na temporada com praticamente os mesmos jogadores do último ano, e algumas adições muito interessantes.

Stephon Gilmore, um dos cornerbacks de elite da NFL, é outro nome que chegou de Buffalo. Ao lado de Malcolm Butler e Eric Rowe, o trio tem potencial para cobrir qualquer combinação ofensiva da Liga. Devin McCourty, Duron Harmon e Patrick Chung formam um dos 5 melhores corpos de safeties. A secundária dos Patriots, que há alguns anos era tida como o ponto fraco do time, é hoje uma das três melhores da NFL segundo o site Pro Footbal Focus.

No front seven, única saída importante é a de Chris Long, que ficou só um ano em Boston, mas desempenhou papel importante na linha defensiva e nos special teams. Rob Ninkovich, que já não jogou tanto na última temporada, resolveu se aposentar e também deixa os Pats.

Mas a combinação de jovens como Trey Flowers, que tem potencial para ser um Pro Bowler, Malcolm Brown e Elandon Roberts, com jogadores mais experientes e dominantes como Dont’a Hightower pode ser o segredo para fazer dessa defesa uma máquina de pressão sobre os quarterbacks adversários.

Roberts e Hightower ficaram afastados de treinamentos durante a pré-temporada—e Dont’a tem no histórico lesões que o tiraram de pelo menos três jogos nas últimas três temporadas—mas tudo parece certo para que sejam titulares na temporada. Flowers, indo para sua terceira temporada com os Pats, também deve conseguir uma vaguinha entre os titulares. O jovem defensive end, que teve 7 sacks na última temporada, é um daqueles jogadores que ainda tem muito a crescer, e esse pode ser seu ano.

Prévia New England Patriots: a tabela

Há quem diga que a tabela de New England é fácil demais por ter 6 duelos contra adversários da AFC East. E eles têm razão até certo ponto. Mas os Patriots merecem crédito por dominar os rivais há tanto tempo—são 16 dos últimos 18 títulos de divisão, todos marcados pelo início da era Brady-Belichick em 2001. E também não há nada que se possa fazer a esse respeito: a regra da tabela diz que os times dentro da divisão jogam entre si duas vezes e ponto.

A tabela de 2017, porém, guarda uma grande complicação para os Patriots nos outros 10 duelos. New England abre a temporada no dia 7 de setembro contra o time do brasileiro Cairo Santos, o Kansas City Chiefs. E depois disso tem 3 pedreiras da NFC South, provavelmente a divisão mais forte da NFL, até a semana 5. New Orleans Saints, Carolina Panthers e Tampa Bay Buccaneers são adversários fortes e que podem atrapalhar os planos de Belichick para o início da temporada—e a equipe ainda tem uma semana curta, domingo a quinta, entre Panthers e Bucs.

E, logo depois de um duelo de divisão contra o New York Jets na semana 6, os Patriots serão anfitriões no reencontro com o Atlanta Falcons.

O bye da equipe caiu na semana 9, e a segunda metade da temporada tem chances de ser mais tranquila pelos 5 confrontos da AFC East, mas ainda guarda encontros com Oakland Raiders e Pittsburgh Steelers, ambos fora de casa.

Atualização: Está prévia foi atualizada para refletir a a lesão de Julian Edelman e a eminente saída de Kony Ealy.

Comments
To Top